dark

PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos

PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos
  • PMPE, PF e PMBA desarticulam quadrilha de assaltos a bancos

Em ocorrência realizada em conjunto com a Polícia Federal e a Polícia Militar da Bahia, policiais militares de Pernambuco participaram, nesta quarta-feira, da Operação Capitá, que desarticulou uma quadrilha especializada em assaltos a bancos e carros-fortes que atuava em diversos estados da federação. A investigação foi iniciada em março deste ano, após a morte do ex-líder de uma das quadrilhas mais atuantes na região Nordeste, em confronto com a Polícia Militar do Estado de Goiás, quando reagiu a uma abordagem. Depois disso, a PF identificou novas lideranças entre os remanescentes da organização criminosa, que passaram a ser investigados nos últimos quatro meses.

Conforme levantamento, a quadrilha estava se preparando para realizar, nos próximos dias, um assalto a um carro-forte em uma das rodovias próximas a Juazeiro/BA e Petrolina/PE. Cerca de 80 policiais federais, com o apoio de 50 policiais militares da Bahia e Pernambuco, deram cumprimento a dez mandados de busca e apreensão nas cidades de Juazeiro/BA, Petrolina/PE e São Paulo/SP.

O grupo preso em Petrolina estava morando há menos de um mês em uma residência do bairro Gercino Coelho, na Rua Maurício de Nassau. Nos endereços das buscas foram encontradas armas de grosso calibre, munição, explosivos, escudos e coletes balísticos, carros roubados, celulares, além de diversos outros apetrechos comumente usados para esse tipo de crime. Moradores da vizinhança relataram que os integrantes do grupo se apresentaram como corretores de imóveis, que vinham de São Paulo. Foram presos em flagrante 11 pessoas, pela prática dos crimes de porte ilegal de armas de fogo de uso restrito, receptação, associação criminosa e posse de explosivos.

Além disso, um outro integrante do bando, suspeito de ser o financiador e um dos principais articuladores, foi preso em São Paulo, em cumprimento a dois mandados de prisão em aberto, um oriundo da Justiça da Bahia, decorrente de uma condenação a 24 anos de reclusão por homicídio; e outro preventivo, por roubo, da Justiça de Alagoas.