Gravatá: Léo do AR se pronuncia oficialmente sobre caso envolvendo Luiz Prequé; assista vídeo

O presidente da Câmara Municipal de Gravatá, Léo do AR (PSDB), quebrou o silêncio e falou pela primeira vez sobre o caso envolvendo o vereador Luiz Prequé (PSD). O chefe do legislativo municipal gravou vídeo e pontuou o motivo pelo qual Luiz Prequé ficou impedido de assumir o cargo e participar das reuniões ordinárias.

Segundo Léo do AR, o vereador Luiz Prequé não teria apresentado documentação obrigatória e constante no Regimento Interno (Artigos 11 e 14), que determinam que logo após a posse, os vereadores apresentem ‘imediatamente’ diploma expedido pelo Cartório Eleitora, bem como documento de declaração de bens.

banner prefeitura são joao

Sem apresentar a documentação, Prequé foi desempossado, e por essa razão ficou impedido de receber votar e ser votado para a mesa diretora. Prequé entrou na justiça para ter o direito da vereança e ser reconhecido como presidente, visto que segundo ele teria havido empate na votação, o que não foi comprovado na ata da sessão.

A justiça determinou que Luiz Prequé fosse empossado, mas não reconheceu o seu voto. A juíza da vara civil determinou que uma nova eleição fosse realizada, mas o desembargador do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) barrou a realização de nova reunião, após observar diversas inconsistências no processo.

ASSISTA VÍDEO:

Luiz Prequé mesmo após tomar posse por determinação da justiça, não teria assinado a ata. O presidente da câmara enviou dois telegramas para o vereador, um solicitando que ele comparecesse em sua posse, e outro para que assinasse a ata de sua posse. No entanto, sem assinar a ata de posse, Luiz Prequé ainda queria participar da reunião ordinária realizada nesta última terça-feira (26/01), o que regimentalmente não seria possível até Luiz Prequé assinar a ata de sua posse.

Léo do AR disse que está apenas seguindo todo regimento interno da Câmara Municipal. O parlamentar disse que está tranquilo, pois acredita na soberania e independência da justiça e câmara municipal.

LEIA TAMBÉM