Gravatá: Guarda Civil e Conselho Tutelar evitam que recém-nascida fosse levada para o Rio de Janeiro

Os envolvidos foram levados para Delegacia da 62ª CIRC

whatsapp image 2022 05 26 at 17.12.03

A Secretaria de Segurança Pública de Gravatá, agreste pernambucano, recebeu denúncia sobre um possível tráfico de pessoas que estaria prestes a acontecer na cidade envolvendo uma bebê recém-nascida. A denúncia foi formulada nesta quinta-feira (26).

A criança nasceu no dia 22 de maio, sendo registrada ontem, quarta-feira (25). Os interessados em levarem a criança estavam tentando fazer uma declaração para que a mãe do bebê autorizasse a ida de sua filha para o Rio de Janeiro (RJ), assim, violando o Estatuto da Criança e do Adolescente. A mãe da criança mentiu para a família, afirmando que a bebê havia morrido. O pai da criança, que está preso, pensava que a criança estava morta, por isso não teve conhecimento da atitude desumana da mãe.

banner prefeitura são joao

A Guarda Civil Municipal foi acionada e passou a procurar os suspeitos. O Conselho Tutelar de Gravatá foi acionado para acompanhar a ocorrência. Com base em informações consolidadas, a Guarda Civil conseguiu localizar a casa da mãe da criança, que informou que os suspeitos estavam em um carro, cujas características foram repassadas.

Após o veículo ser localizado, a Guarda Civil realizou a interceptação. O casal já estava com a criança e um motorista de aplicativo. Graças a ação imediata da Guarda Civil e do Conselho Tutelar, a criança não foi levada da cidade.

A criança foi encaminhada para casa de acolhimento mantido pela Prefeitura de Gravatá, onde ficará à disposição da justiça. Os envolvidos foram levados para Delegacia da 62ª CIRC onde as medidas legais foram adotadas sob os cuidados do delegado Dr. Victor Hugo.

whatsapp image 2022 05 26 at 17.15.12

Participaram da ocorrência o Secretário executivo Comissário Irnaldo, os GCMs: Comandante Paiva, Inspetor Chefe Ualison e a Chefe de Divisão Flávia, além dos conselheiros tutelares Adílson e Daniela Roriz.

Dependemos dessa publicidade para existir aguarde 10 segundos para ler a notícia
Publicidade obrigatória p/ não assinantes