Cientistas da China identificam novo coronavírus em sêmen

Cientistas da China identificam novo coronavírus em sêmen
30 de enero 2020\rSubsecretaria Paula Daza, visitando laboratorio de ispch que cuenta con nueva tŽcnica de PCR para confirmaci—n diagn—stica de nuevo coronavirus \r Fotos: Alejandra De Lucca V. / Minsal 2020

Como em todos os casos de doenças novas e pouco conhecidas, cada estudo realizado acaba por descobrir uma característica diferente do vírus. Nesta semana, pesquisadores chineses detectaram a presença do novo coronavírus no sêmen de pacientes, incluindo aqueles que se recuperavam da covid-19.

Foi utilizado uma amostra pequena de doentes durante os testes, mas de 38 participantes da pesquisa, o novo coronavírus foi encontrado no sêmen de seis deles, o que representa 15,8% da amostragem.

Quatro desses homens estavam no grupo de formado por aqueles que a doença estava em seu nível mais agudo, o que demonstra um nível de contaminação de 26,7%. Já os outros dois faziam parte do grupo de pacientes que estavam recuperados da doença, representando 8,7% nesse cenário.

Os resultados, positivos ou negativos, não tiveram distinção perceptível causada por idade, histórico de doenças urológicas ou dias desde a infecção, internação ou recuperação clínica.

A descoberta liga um alerta para a possibilidade de transmissão sexual da covid-19, já que, apesar de não demonstrar a capacidade do vírus de se replicar no sistema reprodutivos, apresenta a real probabilidade de ele persistir neste ambiente, especialmente no caso de uma inflamação local sistêmica..

Segundo a equipe, se for provado que há a possibilidade de transmissão sexual da covid-19, a abstinência sexual ou uso de camisinha podem ser parte crítica na prevenção da doença.